A realidade do racismo no esporte brasileiro será discutida na AmoEsportesFair

 

Nesta semana, mais um caso lamentável de racismo no esporte brasileiro tomou as manchetes do noticiário esportivo. O zagueiro do Vasco, Miranda, sofreu uma ataque racista de um jogador do Independiente, da Argentina, durante uma partida válida pela Copa Rio Grande do Sul Sub-20, na noite da última quarta-feira.

A injúria teria acontecido na reta final da partida, quando o jogo estava empatado em 1x1 e o árbitro assinalou um pênalti a favor da equipe carioca. Mesmo abalado, o próprio Miranda foi para a marca da cal e converteu a cobrança. Após marcar o gol, o jogador desabafou para as câmeras durante a comemoração. “Macaco não, tenho orgulho da minha pele”, disse o atleta, que chegou a chorar em campo. O Vasco venceu o jogo por 2x1 e se classificou à semifinal da competição. 

Este foi o caso mais recente de injúria racial no esporte, mas outros diversos foram registrados em 2019 e nos últimos anos. O Observatório da Discriminação Racial no Futebol monitora os casos de racismo no esporte no Brasil e alerta para o aumento dos casos. Na legislação brasileira, racismo é crime inafiançável.

A realidade do racismo no esporte brasileiro e as maneiras de combatê-la serão discutidas no Meeting de Marketing e Gestão Esportiva da #AmoEsportesFair2k20, principal feira de esportes do Brasil e que acontecerá entre os dias 14 e 16 de fevereiro de 2020 na Arena do Athletico Paranaense, em Curitiba.

Inscreva-se já - O Meeting de Marketing e Gestão Esportiva acontecerá simultaneamente aos encontros Fisioterapia Esportiva, Nutrição Esportiva, Medicina Esportiva, Direito Desportivo, Jornalismo Esportivo e Educação Física. Serão mais de 3,5 mil profissionais presentes, se aperfeiçoando, interagindo e fazendo negócios. Cada congresso técnico terá capacidade para 500 inscritos. As inscrições estão abertas e acontecem no site https://amoesportesfair.com.br/.